e-mail
senha
esqueceu sua senha? CADASTRE-SE
gravar senha
Pesquisar     QUARTA-FEIRA, 22 DE NOVEMBRO DE 2017  
« voltar ao Fórum Responder mensagem Postar nova mensagem Regras Glossário Revelando-se Perfeito Dates Classificados
Timbres de Davida Gilmour!
postado por Foka  enviar um e-mail para Foka
(direitotcc@yahoo.com.br) 25/10/2014 10:38:17

Fala galera!

Não sei se já viram, mas os vídeos são muito interessantes!

https://www.youtube.com/watch?v=KSVj3vajE0c

https://www.youtube.com/watch?v=JtfMvQmMuVc

https://www.youtube.com/watch?v=nzpySj7NxJo

https://www.youtube.com/watch?v=wkmc68AsnTc

Para delírio geral da nação: Há pedal Boss na lista!

hahahahahaha

Valeu!
ordenar por  mais recentes   mais antigas  
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Roberto Costabile Junior (São Paulo/SP)  enviar um e-mail para Roberto Costabile Junior
(robertocostabilejr@gmail.com) 06/01/2016 10:13:22

Lembrei desse site, não sei se já postaram isso aqui em algum tópico, mas esse cabra se determinou a desvendar o Código-Gilmo:

http://www.kitrae.net/music/David_Gilmour_Tone_Building.html

http://www.kitrae.net/music/David_Gilmour_Effects_And_Gear.html#Amplification

Sobre os Mesa, eu estava enganado...pelo jeito ele usava com DIRTI do Amp mesmo, primeiro o MKI, depois o MKIII.
E o III ele usava de um jeito biruta, como um pedal de drive, antes dos chorus/delays.

E uma época ele usava clean dos Twins
Pra som próximo de twin, um Dual Rectum no clean, com 6L6, e umas na manha no Pre já resolve
Pelo jeito, esses Twins dele eram os da fase Rivera. Testei um uma vez, era um Fender que queria ser um Mark...mas um som legal no geral, um Mark bem mais comportado.

E nos 80's o HM-2 pelo jeito foi uma constante...
o HM-2 tem uma vibe meio Muff, mas com bastante médio. No meu eu fiz umas mods bem simples que deixam ele mais civilizado, o botão de Dist funciona melhor.

Acho que com os Muffs, mesmo com os modelos antigos que usava, com o tempo ele foi colocando uns Eq para recuperar os médios, da mesma forma que o Mesa também deveria funcionar.

Uma coisa maluca, é que ele fazia uns stacks tensos de distorção. Big Muff + HM-2, ou um dos dois com a distorção do Mark. Ou o Tube Driver, e as vezes até um Rat.

O Mark III tem um som naturalmente mais agressivo, mas pro som do Gilmu, que é mais arredondado, mais "smooth", acho que os MKIV ou MKV fazem fácil.
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Roberto Costabile Junior (São Paulo/SP)  enviar um e-mail para Roberto Costabile Junior
(robertocostabilejr@gmail.com) 06/01/2016 09:32:03

"Dentre tudo o que ele usa ou faz, há um ou dois efeitos, pedais, ou algo essencial, sem ser o próprio DG, para chegar perto desse timbre?"

Bruços
Não sou extremo conhecedor do Gilmo, tenho só uns crácicos velhos dele aqui, ouvi mais ele no passado...
mas já li algumas coisas
No final, além da mão do condenado, como em todos, tem toda a cadeia, cada detalhe completa o quadro

Mas NA MINHA OPINIÃO, tem alguns pontos que podem ajudar a chegar no que os gringos chamam de “ballpark”.
Pelo menos chegar em características desejadas do conjunto.

Começando pelo Amp, não sei o que ele usa hoje, mas durante boa parte da carreira, o Hiwatt foi uma constante.
É um amp com bastante headroom, apesar de ser britânico, no dele acho que mantinha bem limpo. (o Townshend por exemplo buscava outro som com Hiwatt, acho até que era outro modelo)

Acho que, mesmo não sendo o mesmo amp, pela experiência que tive com o Single, com algum dos Dual Recto - acho que você tem alguns - com o canal/modo Clean, EL34 no power, e a retificação Diodo, você vai ter uma plataforma parecida.
Não é o mesmo amp, mas vai ficar na área, um Pre limpo, um Power parrudo, bastante headroom, resposta rápida.

As válvulas do Pre também ajudam, principalmente na interação com pedais de sujeira.
Se ele estiver com Sovtek/chinokas, de maior ganho, tente umas mais na manha, JJ, se conseguir, alguma antiga, Sylvania, etc. 5751 no PI ajuda a deixar o limpo mais limpo, mais claro.

Teve um período, nos 80’s, que ele usou um Mark, não lembro se o MKII ou o MKIII. Mas provavelmente usava o canal clean como tela branca para os pedais. Não usava DIRTI…

Pedais
Com o tempo o Gilmo afundou na gas, e usou uns sets bem complexos, mas uma coisa sempre foi constante, um Fuzz.
E nesse ponto, subdivide em:
- um Fuzz estilo Fuzz Face de Si
- um Big Muff (tem um pé em distortion, mas a natureza dele é fuzz, circuito discreto, só transistor. Na real é um FF com estágio a mais no começo e no final)

Agora abre o can of worms…
O Big Muff é um eterno frankenstein, sofreu zilhões de mudanças, e nos antigos, mesmo nas supostas mesmas edições, apareciam diferenças. E o mesmo pro FF, parece que isso rolava muito com os pedais, falta de consistência na produção: se não encontravam os mesmos componentes, só tem tu, vai tu mesmo…

Pelo que eu li e testei, e ouvi, nos Muffs antigos tinha mais acordo, uma distorção com mais nuances. Eu tive o Muff grande, aquele NYC, e testei o russo preto, e era 0,8 ou 8000. No botão de distorção (sustain), vai do arregaço extremo ao nuclear.
E uma distorção bem agressiva, só sujeira, só podreira.
O NYC era total scooped, nada de médio, em qualquer ponto do Tone. O russo preto era menos scooped.

Hoje tem um zilhão de butiques que fazem reproduções dos Muffs antigos, de diversas versões.
Alguns até são especializados nisso. E geralmente eles acabam fazendo referência quandos foram modelos usados pelo Gilmo.

Pelo que eu pude perceber, são pedais mais versáteis, com o alcance da distorção mais civilizado. Muitas vezes tem ou uma chave ou um pot para recuperar ou tunar os médios.

Que eu me lembre, um que faz uma associação direta é esse Iron Bell:

https://www.youtube.com/watch?v=VKDpuizlCic

Antes de se fixar nos Muffs, ele usou um tempo o Fuzz Face de Si, e recentemente, uns anos atrás, ele estava usando um Sun Face Si do Analog Man.
No Pompei mostra bem ali, o FF e o Wah no chão. E a Binson Echorec atrás.

Acho que, no geral, é um FF com a característica do Si, resposta mais rápida, um pouco mais claro, mas não extremamente forte. Devem ter sido versões menos agressivas.

Ele usou durante um tempo Uni Vibe, acho que o dele era um original (Univox) que o Pete Cornish montou num rack.
Tem alguns sons do Froyd que o Vibe é bem marcante, inclusive muita gente que testa Vibe, na hora já toca a Breath…junto com Hendrix e Trower rsrs…

Não pela influência direta do Gilmo, mas eu tive e testei alguns Vibes, e acabei ficando com o Sweet Sound Mojo Vibe. NA MINHA OPINIÃO é disparado o mais fudido.
O som é perfeito, o pulso ele, a intensidade, tudo.
E é prático, pequeno, não rouba sinal. Não precisa de expressão, é fácil mexer o botão com o pé.

Agora, nas Guitas, acho que para ajudar na interação com a distorção forte do Fuzz Face/Muff, single coils de saída baixa é fundamental, e escala de maple ajuda na clareza.

Pelo que percebi, a maioria das suas guitas são escala rosewood, mas acho que isso é passível de ajustes.
Acho a questão do captador mais importante, porque Fuzz/Muff são meio exigentes nesse ponto. Se bomba forte a entrada deles, já comprime muito e muda o caráter da distorção, a resposta da palhetada. Isso falo por experiência própria.

Acho que num resumo, pontos interessantes que podem ajudar:
- Amp com headrom, clean sem dirti, resposta firme, se possível EL34
- Muff tunado, pot de distorção civilizado, com ajuste de médio
- Single Coil mais na manha, se tiver uma escala maple pode ajudar

Desculpa o post logo…mas acho que é um tópico interessante, bastante pano pra manga…
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Vinnas (Aracaju/SE)  enviar um e-mail para Vinnas
(marcusvinas@gmail.com) 21/12/2015 09:37:10

Ele é um grande artista, se fosse da praia mais virtuosa acho q nao seria tao meticuloso com seu tone
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Dado (Brasília/DF)  enviar um e-mail para Dado
(eduardovski@hotmail.com) 21/12/2015 07:59:56

Também estive no show em SP, 12/12. É inexplicável mesmo aquele som de guitarra. Verei os videos quando chegar em casa.
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Felipe Machia (Campos dos Goytacazes/RJ)  enviar um e-mail para Felipe Machia
(felipemachia@gmail.com) 20/12/2015 15:18:24

Estive no primeiro show em SP, inacreditável a qualidade do som e o timbre que ele tira, o show do cara é aquele tipo de evento que faz a gente mudar a forma como vemos e ouvimos a música!
Re: Timbres de Davida Gilmour!
postado por Bruce ♫ (São Paulo/SP)  enviar um e-mail para Bruce  ♫
(bruce@greennotes.mus.br) 20/12/2015 12:33:41

Trazendo o ótimo post à tona de novo, estou ainda intrigado com o timbre excepcional que ele obtém.

Para contribuir, segue um trecho retirado do site Gilmourish, que fala principalmente do timbre em Comfortably Numb.
Puta som!

Dentre tudo o que ele usa ou faz, há um ou dois efeitos, pedais, ou algo essencial, sem ser o próprio DG, para chegar perto desse timbre?


-----------------------------------------------------------------------

Pedals like the Big Muff, Colorsound Power Boost, BK Tube Driver etc are all designed to be used with tube amps and the magic happens when the amp and pedal reacts with each other. David also adds a booster or mild overdrive after the Muff to add more volume and character. This doesn’t really make the Big Muff sound more aggressive but it helps smooth out some of the harsh harmonics and add a richer character.

Solidstates or transistor amps can give you a great tone as well and the same “rule” should apply, – make sure that it can play loud without distorting. As described below you might need to add an EQ or a booster to compensate for the lack of the typical tube tone.

General amp settings

I recommend that you always use the front inputs on your amp. If possible, try to combine the inputs with a small patch cable, – upper normal and lower bright/brilliance and plug the guitar cable into the upper bright/brilliance. This will add brightness and presence without loosing the lower ends. General settings for both tube and solid states should be: bass 50%, treble 50-60%, mids 40% and the master at about 1/3 of the channel output. If the inputs are combined set the normal input volume a hair higher than the bright input volume.

Effects

As talked about above, David’s effects setup for Comfortably Numb is quite basic. Good sounding pickups and a powerful tube amp requires 4-5 effects at most. If you’re playing at home using a small solid state with a volume suitable for grumpy neighbours you might need to add a couple of effects to compensate for loss of sustain and dynamics.

Setup recommended for tube amps:

1. Warm, slightly dirty tone for PULSE
BIG MUFF (Sovtek/P-2/G-2) – gain 50-100%, tone 20-30%, volume 50-60%
OVERDRIVE (Tube Driver/Tube Screamer) – gain is depending on how aggressive the pedal is, – you want a mild overdrive, about 30-40%, tone 40%, volume 50-60%
DELAY – moderate volume and feedback and about 550ms time.
- Although not required I would also add a compressor (placed first in the chain) for a bit more attack and sustain. If you’re using vintage style single coils I’d also add hint of mid boost with an additional EQ for that boosted EMG tone (placed after the overdrive). For authenticity you could also add a subtle chorus (placed infront of the delay).

2. Bright, punchy tone for Animals, Wall and On an Island
BIG MUFF (“triangle”/”ram’s head”) – gain 50-100%, tone 40%, volume 50-60%
BOOSTER/OVERDRIVE (Colorsound PB/Boss BD-2) – gain, this should be as clean as possible without getting thin (find the sweet spot before it breaks), tone 50%, volume 70%
DELAY – moderate volume and feedback and about 550ms time.
- For authenticity you could add a flanger, preferably the Electric Mistress (placed in front of the delay).
« voltar ao Fórum Responder mensagem Postar nova mensagem Regras Glossário Revelando-se Perfeito Dates Classificados
Green Notes © Copyright 2005 / 2017 - Todos os direitos reservados | Faça aqui o seu Cadastro